AMOSTRA INDEFORMADA (SHELBY)

A ocorrência de estratos no subsolo de natureza argilosa, com consistência mole e espessura variável, cuja camada pode variar desde lentes centimétricas até pacotes com espessura da ordem de metros, levaram ao desenvolvimento de um amostrador especial de parede fina, que possibilitasse a coleta deste tipo de material.

O amostrador tipo Shelby de parede fina, é o mais usado, tanto no Brasil como no exterior. Normalmente são fabricados em latão ou alumínio, e também podem ser em aço inoxidável, porém a um custo mais elevado. A qualidade da amostra indeformada coletada, está diretamente relacionada ao diâmetro do amostrador, normalmente de 3” ou 4” polegadas, bem como a operação de coleta, da manipulação da amostra após a coleta, do transporte e do armazenamento da amostra.

A sondagem, para a coleta de amostra indeformada do tipo Shelby, é realizada com o equipamento de sondagem à percussão, de simples reconhecimento. Utilizando tubo de revestimento de, no máximo, 6” de diâmetro, com avanço, por lavagem, até que se tenha atingido a camada argilosa, e a cota em que vai ser realizada a amostragem. Limpa-se o fundo do furo, com trado helicoidal ou lavagem, para garantir a qualidade da amostra.

O amostrador é composto por um tubo conectado a um cabeçote provido de uma válvula de esfera, que possibilite ao ar e a água escaparem, à medida que, o amostrador é cravado na camada argilosa, e a amostra coletada, alojada no seu interior. Toda a operação de amostragem no solo é realizada, por introdução do amostrador Shelby, através de pressão estática constante, que é retirado do solo quando estiver cheio. Durante a operação de cravação, deve ser observado que, o amostrador não penetre mais que o seu comprimento, a fim de evitar que a amostra seja comprimida no seu interior, perdendo, portanto, as características de amostra indeformada.

A camisa Shelby é desconectada das hastes e do cabeçote, removendo-se os dois parafusos de fixação e selando-se as extremidades com parafina, para serem enviadas ao laboratório, as amostras, serão guardadas em câmara úmida. As amostras Shelby merecem cuidados especiais, desde a sua extração. Serão mantidas sempre, na posição vertical, de forma que a parte inferior, seja a correspondente à parte inferior da amostra, antes de suas extremidades serem seladas com parafina.

Na extração, devem ser evitados impactos e vibrações, na obtenção da amostra, que será transportada em caixas com serragem. Deve ser evitada a exposição ao sol, quando é retirada do furo, para as operações de embalagem e transporte. Períodos longos de armazenagem em câmara úmida, devem ser evitados. A Norma Brasileira NBR 9820 – 1977 – Coleta de Amostras Indeformadas de Solos de Baixa Consistência em furos de sondagem, dá os procedimentos para a coleta de amostras Shelby, junto com a norma americana ASTM D1587 – 08 Standard Practice for Thin-Walled Tube Sampling of Soils for Geotechnical Purposes.

 

Comments are closed.